nossa gente

Elizabeth Regina de Melo Cabral

Nossa Companheira Profissional de Saúde Coletiva e Bem Viver

No momento em que decidi entrar na área da saúde, isso na graduação em enfermagem (Funeso), no estado de Pernambuco, comecei a pensar o que farei em prol do bem da população que passará por mim? Obtive algumas respostas quando "olhava" para a minha família, especialmente meus pais e avós maternos, que cresceram e viveram no meio rural e trabalhando na lavoura, na zona da mata pernambucana. Eram para estas pessoas que eu deveria focar nas atenções dos cuidados em saúde e em prol de políticas públicas voltadas para esta população. Então, sai da terra natal, para agregar conhecimento na área de toxicologia e saúde coletiva (UFRJ e Unicamp), especialmente nas áreas de populações com exposição e intoxicadas a diversos produtos químicos, entre eles, os agrotóxicos. Eram histórias tristes, mas no meio neste período, conheci membros de um grupo maravilhoso, que atuava de forma diferente (e a forma que eu buscava), para cuidar desse povo que almeja saúde e ao mesmo tempo, uma forma de trabalho digna. Era um grupo de atuava com a Agroecologia. O nome era desconhecido para mim, mas era tudo que meus familiares já faziam lá na terrinha deles! Desde então, essa é a principal ferramenta transformadora no cuidado a saúde que desejo promover para a população e aos estudantes que passam pela minha vida.

IMG_0194.JPG

Ana Carolina Campos

Nossa Comunicadora que leva nossas Experiências até você

Apesar não ter nascido na roça, sempre estive por perto. Ao entrar na faculdade ouvíamos de todos os lados a pergunta: por que Midialogia? O que  naquele momento ainda não estava claro, era parte de tentar entender a complexa e cotidiana experiência da comunicação humana - como conhecemos, trocamos e nos conectamos com os outros? Afim de continuar essa busca, aprofundei meus estudos em Jornalismo Científico e Culturural (Labjor/UNICAMP) onde a pergunta agora se voltava para o ativismo - seria a internet uma ferramenta capaz de auxiliar na participação popular na política? Depois disso peguei minhas malas e fui de vez para o sítio. Depois de entrar em contato com Movimentos Sociais que tem que lutar por essa participação, unidos ao desejo de uma cidade melhor para todos passei a ver a comunicação como uma forma de expandir o debate do que é Comum a todos - o meio ambiente, a cidade, a saúde (e logo, responsabilidade de todos) - através da Agroecologia.

P_20190714_145555.jpg

Lucca Vichr Lopes

Nosso articulador de projetos e recursos

Nasci e cresci em uma grande cidade. Meu grande alento quendo pequeno era poder sair do apartamento para passar alguns bons momentos no sítio do meu avô. Hoje moro nesse sítio, onde também plantamos para nossa subsistência e para compartilhar experiências e alimentos com nossas famílias e amigos. Sou formado em Ciências Econômicas pelo IE/UNICAMP, onde também realizei uma especialização em Gestão Estratégica de Empresas. Possuo mestrado em Política Científica e Tecnológica pelo IG/UNICAMP, onde atualmente faço meu doutoramento. Minhas experiências com a agricultura vão desde a prática diária na terra, passando pelo setor público, pela ação em Conselhos Participativos e finalmente aqui no Ibá.

PHOTO-2019-03-16-12-44-21.jpg

Carolina Rios Thomson

Nossa Companheira dos Movimentos Sociais, das Redes e da Agricultura Familiar

Madrugar montada em um cavalo ou tomando um café para ir dar a próxima aula: a vida só faz sentido se tiver os dois. Eu sou neta de agricultor e há dois anos tornei ao sítio em que minha família materna se fez. Hoje, temos aqui como atividade principal a pecuária leiteira, mas sou também professora. No currículo carrego as formações em Cientista social (UFRJ), mestra em Agroecologia e Desenvolvimento Rural e Doutoranda em Ciências Sociais (Unicamp) na área de Sociologia Rural. Durante quase uma década venho atuando em projetos de pesquisa e extensão relacionados aos movimentos sociais do campo e à Agroecologia em Universidades e organizações sociais. Também tenho experiência em docência no ensino fundamental e superior. Eu já acreditava que está nas nossas mãos a luta e transformação com a qual sonhamos, mas recentemente descobri que os animais também são mestres de lições, sutis e profundas, que não estão tão bem documentadas. Quando uni prática e teoria, a vida explodiu: produzir, trocar e transformar não apenas possível, é revolucionário.

foto praia matinhos.jpg

Suzana Marques Rodrigues Alvares

Nossa Companheira Bióloga e Profissional em Agroecologia, apaixonada por Agroflorestas

Desde muito pequena a paixão pela natureza guiou meu caminhar. Mesmo morando na selva de pedra, vivia protegendo aranhas, me extasiava diante das maravilhosas árvores e seguia meu pai pelo nosso sítio arrastando uma enxada maior do que eu. O curso de Bacharelado e Licenciatura em Ciências Biológicas (Unicamp) foi a forma de levar esta paixão para minha vida profissional.  Embora não tenha percebido a relação entre agricultura e meio ambiente na graduação e na militância, foi ao longo dos 17 anos que morei em um sítio na Chapada dos Guimarães-MT, que esta relação se desvelou: desmatamento, gado, soja, agrotóxicos, doenças, mudanças climáticas, comunidades tradicionais empurradas para fora de seus territórios e destituídas de suas formas de vida.... Mas a luta tinha de seguir e, que grande alegria foi conhecer a Agroecologia em um curso de aperfeiçoamento, onde um tema em especial me deixou maravilhada: Sistemas Agroflorestais. Como a possibilidade de transformação depende das pessoas, busquei na Pedagogia Social e nas metodologias participativas um importante apoio para meu trabalho. Completei minha formação com o mestrado em Agroecologia e Desenvolvimento Rural (UFSCar) e doutorado em Engenharia Agrícola na área de Desenvolvimento Rural (Unicamp) e fui também professora substituta do curso de Agroecologia (UFPR). Há 15 anos tenho me dedicado à Agroecologia com atividades de ensino, pesquisa e extensão em diferentes territórios na certeza de que a transição agroecológica e as agroflorestas são o caminho para a construção de sociedades mais justas, sustentáveis e do Bem Viver. 

Ibá é uma palavra indígena que significa fruto ou fruta - carregada de sementes, multiplicadoras de alimento e vida.